sexta-feira, 29 de maio de 2009

Sociologia da Música- Na Ditadura Militar no Brasil!

video

Por: Sarah Abdala Elias, Raíssa Falcão, Luciano C., Bárbara Zaiden e Felipe D'stefani.


Poderíamos definir de uma forma simples e resumida que sociologia é uma ciência que estuda o comportamento humano dentro de determinadas estruturas da sociedade.
Para compreendermos como funciona a sociologia da música no contexto da ditadura no Brasil, devemos primeiramente entender a função da música na sociedade e também termos claro em nossas mentes esse conceito de sociologia.


A música foi uma das artes que sempre possuiu uma maior força de mobilização social, pois ela exerce grande influência em seu meio e vice e versa. Podemos ilustrar essa idea com uma frase de Arnold Schering, um musicólogo alemão que diz: "...em todos os tempos a música sempre foi o instrumento predileto para dominar os espíritos".


Não precisamos ir muito longe para entendermos melhor a frase de Arnold Schering e assim entendermos como a sociologia da música funciona.


No Brasil, no chamado "anos de chumbo" com a implantação da ditadura militar, que foi do ano de 1964 até 1985(com a redemocratização do Brasil), existiram movimentos musicais que protestavam contra o novo regime e utilizavam a música como principal instrumento de protesto para demonstrar a insatisfação da sociedade brasileira. A música interferia na sociedade, na tentativa de "dominar os espíritos" do povo e assim manter viva e fazer surgir a resistência ao regime. O momento social vivido interferia na música, principalmente na letra e no ritmo das canções.


Exemplos de movimentos musicais como esses temos aos montes, como: A Tropicália ( 1967/68), um movimento musical que tentou retomar os princípios antropofágicos de Oswald de Andrade e do movimento modernista de 1922, para romper tanto com o formato, que julgavam ser antigo, da música brasileira (bossa nova), quanto com a política vigente no pais.

Surgiram também os grandes festivais de música que deram espaço para os artistas e seus hinos contra o governo militar, o mais famoso deles foi o Festival de Música Popular Brasileira organizado pela TV Record, que consagrou vários artistas como Chico Buarque de Holanda e Geraldo Vandré.


O regime militar tinha plena consciência do poder que a música exercia na sociedade, e com o receio de ter o seu poder ameaçado a censura entrou em ação. Várias canções foram proibidas e vários artistas foram exilados.


Por outro lado, os meios de comunicação vinculados ao regime, divulgavam grupos musicais como a Jovem Guarda ( grupo musical criado na década de 60) que não tinham engajamento
político, ou seja, não ameaçavam o poder dos militares.

O regime também soube aproveitar a música a seu favor. Em pleno "milagre econômico" na década de 70, depois da conquista do tricampeonato mundial de futebol no México pela seleção brasileira, a música, "Pra frente Brasil", foi utilizada para criar um clima de otimismo e transmitir tranqüilidade a sociedade.


Podemos dizer tranquilamente que se o regime militar não tivesse sido implantado no Brasil naquela determinada época, naquela determinada sociedade e que se ele não tivesse as características que teve, a música brasileira não teria as obras e os artistas, que foram produzidas e revelados na época, e hoje poderíamos viver uma etapa musical diferente da atual.


Esses exemplos citados sobre regime militar, ilustram a influência que o meio exerce na arte e assim esclarece um pouco como a sociologia da música funcionou na ditadura militar brasileira.

9 comentários:

  1. Boa reflexão sobre a música na Ditadura Militar!
    Gostei muito do livro "Eu não sou cachorro não", que aborda sobre como cantores vistos como "bregas" e como "alienados" pela "elite intelectual" também sofreram com a censura. tem vários casos interessantes relacionados à Odair JOsé, Waldick Soriano, Nelson Ned, etc. O livro busca fazer justiça a esses nomes, que sempre são excluídos da historiografia da música brasileira (que, geralmente escrita por pessoas "esclarecidas", que vêm de classes dominantes, só enaltecem Chico e Caetano).


    Agora: um assunto atual: está saindo um documentário sobre o Wilson Simonal. Na revista Bravo do mês passado apresenta que ele foi "vítima de uma esquerda intolerante". Não vi o filme ainda, mas parece-me que querem purificá-lo.
    O Henfil fez várias críticas à ele, por vê-lo como dedo-duro.
    Esse caso também é analizado no livro "Eu não sou cachorro", do mesmo historiador que escreveu uma biografia censurada pelo "rei" Roberto Carlos.
    Paulo Cézar de Araújo é o autor. Entrevista com ele aqui:


    http://www.youtube.com/watch?v=RZoy-DarmIk

    vemos aí um caso emblemático de censura na nossa época.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Professor Nildo. Como eu já havia lhe informado, faço parte deste grupo, porém, quando foram postar a matéria, esqueceram de colocar meu nome. Gostaria que vc computasse a nota, visto que auxiliei no trabalho.
    Obrigado,
    Frederico R. Oliveira

    ResponderExcluir
  3. A sociologia da música tem vários aspectos e busca analisar a relação música-sociedade. No que se refere ao texto, poderiam ter desenvolvido mais, inclusive citar as manifestações musicais do período que aparecem na entrevista (canção de protesto, etc.) e desenvolver alguns aspectos. No caso da entrevista, faltou colocar o nome do entrevistado... Agora, não cabe aqui julgar o entrevistado e as discordâncias em relação a algumas de suas afirmações. O trabalho ficou bom.

    (8,0).

    ResponderExcluir
  4. Boa dica, Diego!
    Além de cantor e compositor, ainda historiador, ou seja, tem muito a contribuir nesta àrea.

    ResponderExcluir
  5. Professor Nildo, gostaria de registrar meu público agradecimento a você por ter corrigido minha nota. Muito obrigado mesmo, foi muito bom ter a oportunidade de estudar contigo e não some da gente não! Aparece lá de vez em quando... Heheh...

    ResponderExcluir
  6. podia colocar as letras da música...
    Obrigada

    ResponderExcluir
  7. Perfect! Contribuiu bastante pro meu trabalho cujo tema é Ditadura Militar, Sociedade e Serviço Social...
    A música é bárbara mesmo, porem hj não tem tido muito a contribuir para a sociedade, infelizmente.
    Realizo um trabalho com adolescentes onde abordo vários temas pertinentes à fase q vivem, alertando-os sobre a música q ouvem por aí, pois reconheço o poder q a música tem.
    Não gosto muito do gênero, mas o rap (desde q não faça apologia a armas, drogas etc) retrata a situação do jovem brasileiro...

    ResponderExcluir
  8. quem exerce a ditadura no Brasil??

    ResponderExcluir